II ENCONTRO INTERNACIONAL da REDE GALABRA (Programa e Resumos)

II ENCONTRO INTERNACIONAL da REDE GALABRA

Transdisciplinaridade no estudo de cultura e comunidades

Santiago de Compostela, 25 e 26 de janeiro de 2018

Sala B03 – Faculdade de Filologia – Universidade de Santiago de Compostela

Descarregue o Cartaz do II Encontro Internacional da Rede Galabra

PROGRAMA E RESUMOS

Dia 25 de janeiro de 2018

11:00 h. Abertura

11:15 h. Conferência. “Indagações sobre a pesquisa literária: empresa acadêmica e interesse social” Rejane Pivetta de Oliveira (Centro Universitário Ritter dos Reis)

Resultados de pesquisas anteriores sobre o modo como a literatura vem sendo investigada em universidades brasileiras (Pivetta, 2009; 2012) apontam orientações temáticas, recortes teóricos e metodológicos que sugerem a dominância de um paradigma baseado na interpretação do texto literário “em si”, lido nos seus aspectos formais de elaboração da linguagem ou como representação de contextos sócio-históricos e identidades culturais. No primeiro caso, predomina uma visão filológica da erudição literária, enquanto discernimento da especificidade e da universalidade dos significados; no segundo caso, enfatiza-se a capacidade de a literatura esclarecer e moldar convicções políticas e ideológicas em determinados momentos históricos da sociedade (Search, 2017). Em qualquer dos âmbitos privilegiados pelas investigações, parece restar intacta a primazia da literatura como valor cultural e civilizatório estabelecido a priori, a despeito da posição incômoda de tal prerrogativa, face a discussões contemporâneas sobre a pós-autonomia (Ludmer, 2007) e a inespecificidade (Garamuño, 2014) da arte; questionamentos acerca do cânone e da ausência de parâmetros que estruturem a diversidade das manifestações estéticas no contexto da visibilidade midiática (Canclini, 2016). As transformações por que hoje passa o campo literário, ao lado de mudanças epistemológicas que situam o conhecimento em fronteiras transdisciplinares e, ainda, o próprio quadro de reorganização das universidades, em conformidade com a economia global e as demandas de empreendedorismo das atividades acadêmicas, são circunstâncias que tornam crucial uma avaliação crítica sobre o papel das Humanidades, especialmente da pesquisa literária, levando-nos a indagar sobre as possibilidades de tal tarefa ser conduzida como avanço do conhecimento, recurso cultural (Yúdice, 2004) e ação socialmente relevante. São essas, em síntese, as questões motivadoras da reflexão aqui proposta, que pretende, ao final, chegar ao esboço de um programa de pesquisa por meio do qual os estudos literários possam produzir conhecimentos com potencial de inovação e intervenção na vida social.

 PAUSA

                         Primeira Sessão

12:30 h. “Globalizaçom, turismo e cultura: a literatura e a identidade portuguesas nas novas dinámicas contemporáneas” Cristina Martínez Tejero (Centro de Estudos Comparatistas, Universidade de Lisboa)

Esta comunicaçom apresenta parte dumha linha de trabalho mais ampla destinada a reflexionar sobre as consequências da globalizaçom nas dinámicas culturais, assim como sobre os novos papéis jogados pola literatura dentro destas coordenadas. Concretamente, o peso da prática turística no mundo contemporáneo (compreendida aqui non só como atividade ligada a esta indústria mas sobretodo como o ato de consumo massivo de espaços e identidades) e as suas inter-relaçons com a cultura oferecem um campo fértil de estudo sobre as imagens e circulaçons globais. Nesta comunicaçom será abordada a  presença e funçons da literatura nos materiais turísticos relativos a Portugal no período compreendido entre 1898 e 1989 para reflexionar sobre as implicaçons culturais e identitárias do fenómeno turístico.

12:50 h. “Fluxo literário internacional e literaturas dos PALOP: construção de bancos de dados e possibilidades de exploração” M. Felisa Rodríguez Prado (Galabra – USC)

Nesta intervenção tenciona-se fazer uma aproximação à análise dos fluxos literários internacionais no século XXI através dos dados e da experiência acumulada no mapeamento da presença internacional de produtos literários assinados por criadores de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe, por via da tradução, por um lado, e por meio da edição na(s) língua(s) original(is) em Portugal e no Brasil, por outro lado.

13:10 h. Colóquio

                        Segunda Sessão

 15:15 h. “Intermediários do campo cultural. O agenciamento literário no Brasil” M. Carmen Villarino Pardo (Galabra – USC)

O objetivo principal deste trabalho é, a partir de uma perspetiva de sociologia da literatura e da cultura, entender qual é o papel, na atualidade, dos agentes literários como intermediários culturais em relação à circulação de obras e autores/as e à produção literária, com foco específico no caso do sistema literário brasileiro.

15:35 h. “Leitura, Literatura e Comunidade: comparação entre consumos reais e modelos acadêmicos” Raquel Bello Vázquez (Centro Universitário Ritter dos Reis)

Como parte de um projeto maior sobre o contraste entre os consumos de literatura por parte de comunidades de leitoras e leitores e os modelos literários propostos pela academia, realizamos uma primeira comparação entre los vários listados disponíveis de ventas de livros e outros consumos (autodeclarados) para estabelecer um panorama de preferências. Ao mesmo tempo, realizamos um exame das propostas de leitura obrigatória indicadas pelas grandes universidades públicas do Brasil para a prova de acesso ao ensino superior.

Reflexionaremos sobre estes assuntos de um punto de vista teórico e também ético. No primeiro caso, é claro que a viragem cultural e os desenvolvimentos da sociologia e da antropologia da literatura e da leitura debilitaram a posição histórica dos estudos literários como mecanismos de legitimação de textos e autores/as, e isto tem o seu reflexo na relação que leitoras e leitores (de qualquer idade) estabelecem com as instituições historicamente prescritoras. Em relação às razões éticas, preguntaremo-nos sobre as várias políticas públicas que são desenhadas levando em consideração o cânone literário e as interpretações textuais marcadas pela academia, assim como sobre os modos em que estas se relacionam com os usos e aspirações de leitores e leitoras. Currículos das escolas de educação fundamental, provas de acesso a educação superior e ações de promoção da leitura e do letramento são apenas alguns exemplos destas políticas.

15:55 h. Colóquio

                     Terceira Sessão

16:30 h. “Reptos na divulgação da investigação em Ciências da Cultura” Roberto Samartim (UdC)

A comunicação analisa quantitativa e qualitativamente a produção da Rede Galabra para depois apresentar o site https://www.redegalabra.org, principal ferramenta de divulgação dos resultados investigadores dos grupos e agentes ligados à rede. A partir das análises realizadas, serão colocados alguns reptos destinados a aumentar o impacto da produção própria e a divulgação dos trabalhos da rede Galabra em vários espaços e campos considerados estratégicos, tais como a própria web da rede, o campo editorial ou o do ensino.

16:50 h. “Tres reflexións que non están relacionadas (ou si) e unha experiencia como conclusión” Emilio Carral Vilariño e Xoán Carlos Carreira (Galabra – USC)

1) Hai vida fora da universidade. Un aspecto que particularmente me preocupa é o afastamento da divulgación no noso traballo ordinario, aínda que sempre hai excepcións. A divulgación é fundamental pois permite recoller información sobre o que opina a xente de aquelo que estamos a divulgar, moitas veces froito do noso traballo. E iso axúdanos a melloralo, mesmo na investigación.

Moitas/os  colegas creen que a ciencia é unha actividade que se xustifica por si mesma e que é neutral fronte a realidade social. Mais , desde ou meu punto de vista, nin a ciencia nin a técnica son neutrais. Teñen posicións ideolóxicas de partida e acaban por servir a uns ou a outros grupos sociais.

Neste primeiro apartado hai un terceiro aspecto que gostaría de comentar. As persoas que presentan unha tese froito dunha vida de traballo e experiencias profesionais son unha excepción. A recuperación de persoas que traian á universidade o que teñen aprendido fora e así aumenten o noso caudal de coñecementos e colaboradoras/es na investigación merece a pena.

2) Os pros e contras da innovación. A innovación xa se ten incorporado á definición do noso traballo. Xa non se trata de investigar senón de facer I+D+i. Por suposto que ofrecer solucións innovadoras é moi importante, pero convén non sacralizar este obxectivo, porque tamén ten a súa cara escura. Cando a innovación se converte nun fin en si mesmo, corre o perigo de converterse nunha estratexia ao servizo do consumismo, da obsolescencia programada e, en definitiva ao servizo do Deus Diñeiro.

3) Algunhas reflexións sobre a ciencia na actualidade. Sen poñer en cuestión o feito de que a ciencia, por suposto, é unha actividade que ten achegado grandes logros e beneficios para a humanidade, só quixera traer a consideración algunhas reflexións  críticas,  ou mellor autocríticas  porque  semella que xa nos temos esquecido de algúns principios básicos de toda ciencia.

En primeiro lugar temos deixado de lado a constatación da evidencia. Estamos demasiado acostumadas/os a decidir que aquelo que non podemos explicar non existe ou ben se afasta para non ser obxecto da investigación. En segundo lugar semella que temos abandonada a observación como un método científico mais. En terceiro lugar,  teño a impresión de que hoxe na ciencia hai mais dogmas que dúbidas. En cuarto lugar, creo que se confunde demasiadas veces a investigación e a experimentación.

4) Unha experiencia a xeito de conclusión. Hai mais de dous anos o meu compañeiro Emilio Carral e mais eu decidimos traballar na interpretación da realidade agraria galega á luz dos novos paradigmas mundiais sobre o papel da agricultura. Deste traballo e destas presentacións sacamos algunhas experiencias que teñen que ver cos puntos anteriores e pretendo explicar en pouco tempo.

O que tratamos foi de facer visíbel unha realidade que era invisíbel aos ollos da ciencia, a política, o sindicalismo, a economía e os medios de comunicación. A visualización desta realidade deunos unha perspectiva diferente. Existe un discurso que non se corresponde coa realidade e unha realidade que está necesitada de un discurso propio. Aquelo que no século XX consideramos un problema, froito do atraso, pode ter hoxe un valor enorme no século XXI. E posíbel pasar dunha actitude baseada na queixa polo noso atraso a unha actitude de orgullo polo que temos.

17 h. Colóquio

 PAUSA

            Primeiro Debate Decisório

17:45 – 19:15 h. Ética na investigação.

O debate vai encaminhado a colocar princípios e procedimentos éticos que se considere devem ser atendidos em todo o processo de investigação e no comportamento das equipas e grupos de investigação, tanto quanto ao objeto como às suas implicações sociais.

Dia 26 de janeiro de 2018

                        Quarta Sessão

9:00 h. “Comportamentos diferenciais dos peregrinos en Compostela” María Luísa del Río Araújo (Galabra – USC)

O estudo científico dos efectos das peregrinacións nos seus destinos non se atopa aínda avanzado, polo que é habitual a difusión de crenzas baseadas en tópicos e na extrapolación de experiencias obtidas a través de metodoloxías non científicas. Co obxectivo de cubrir -alomenos parcialmente- esta carencia, se analizan estatisticamente os comportamentos en Compostela dunha mostra representativa de persoas que remataron a súa peregrinaxe á cidade. Os resultados amosan comportamentos dieferenciais relevantes para a cidadanía.

9:20 h. “Aproximación á análise multimodal de produtos audiovisuais: O filme The Way” Zósimo López Pena (UNIR)

Tomando como marco teórico a Multimodalidade (Jewitt, 2009), establecemos unha metodoloxía para analizar produtos audiovisuais relacionados cos fins que determinan a liña de traballo da Rede Galabra. O obxectivo principal desta comunicación é expoñer os avances nesta investigación multimodal e mostrar a aplicación de diferentes softwares para recoñecemento semántico de fotogramas, tomando coma mostra unha secuencia relevante do filme The Way (2010).

9:40 h. Colóquio

                        Quinta Sessão

 10.15 h. “O setecentismo galego na construção nacional: questões de periodologia, semanticidade e visões em conflito na configuração do discurso literário-historiográfico regionalista” Laura Blanco de la Barrera (Galabra USC / University of Oxford)

Com esta proposta pretendemos partilhar alguns resultados e reflexões de caráter teórico-metodológico do próprio trabalho de tese doutoral. Atualmente em andamento e em fase avançada, esta pesquisa desenvolve-se formalmente sob a modalidade de compêndio de artigos, de acordo com o Artigo 41 do Regulamento de Estudos de Doutoramento da USC.

O título acima referido para esta intervenção bem poderia aludir ao trabalho de Tese no seu tudo, no entanto pretende recolher no fundamental os aspectos abordados no primeiro trabalho de dito compêndio, isto é, uma proposta de artigo finalizado e pronto para submissão/publicação do qual se derivam as linhas de trabalho –ou objetos de estudo– de cada um dos subsequentes.

Na diacronia das narrativas histórico-literárias, a instabilidade do século XVIII – tanto como entidade cultural quanto cronológica – contrasta com a solidez dos períodos medieval e romântico. Cifradas na maior ou menor legitimidade conferida ao setecentismo galego para fazer parte duma história nacional, as ambivalências que detectamos no seu tratamento desde a produção historiográfica do Regionalismo permitem-nos formular hipóteses sobre os conflitos operantes na configuração ideológica do oitocentismo em relação à formulação do discurso da identidade.

A nossa hipótese presume o setecentismo galego como um núcleo de confluência dos conflitos ideológicos entre os modelos liberal e orgânico-historicista pela sua hegemonia nos campos histórico e literário.

Mediante uma observação estruturada sobre as periodizações e as suas atribuições semânticas, este trabalho oferece uma aproximação aos mecanismos subjacentes às formulações dos agentes do movimento Regionalista através da análise das visões que sobre o século XVIII projetam.

10:35 h. “Proposta da noção de negociação para a análise de relações e relacionamentos” Elias J. Torres Feijó (Galabra – USC)

O relacionamento entre pessoas e entre comunidades ou setores delas; o relacionamento entre pessoas, comunidades e territórios; o uso de repertórios culturais; a relação ou contato entre entes que disputam benefícios implica, sempre, negociação. O modo em que pessoas visitam lugares e as suas comunidades; a forma em que as pessoas se relacionam e usam o seu meio; a seleção e uso de materiais para funcionar em relação ao espaço ou a outras pessoas ou entes; um debate ideológico , implicam necessariamente ter em conta a potencialidade dos elementos em jogo e as eventuais novas realidades a que podem dar lugar. Aqui aplicará-se particularmente ao surto de grupos organizados politicamente que veiculam novas ideias (exemplificando com o caso das Irmandades galegas de 1916) e hipotetizará-se para o caso da relação entre habitantes, comerciantes e visitantes (a Santiago de Compostela) com implicações no uso do espaço.

10:55 h. Colóquio

 PAUSA

                        Sexta Sessão

11:30 h. “Comunidade local e políticas culturais em Santiago de Compostela: hipóteses de análise” Carlos Pazos-Justo (Galabra – UMinho), Roberto Samartim (UdC) e Marisa del Río (Galabra – USC

Em seguimento de comunicação apresentada recentemente em congresso na UMinho (sob o título Políticas culturais e comunidade local: contributos para a análise do caso de Santiago de Compostela como meta dos Caminhos de Santiago) vinculada ao projeto do CS, pretende-se partilhar e refletir no âmbito da Rede o assunto em foco, particularmente: (i) como entender as políticas culturais em/de Santiago de Compostela da década de 80 em diante e (ii) como analisar os dados obtidos quanto aos discursos da população local acerca daquelas.

11:50 h. “Impactos do Caminho de Santiago no comércio de Chaves: procedimentos e resultados dum trabalho em curso” Deolinda Freitas (UMinho)

A comunicação apresenta os procedimentos e métodos acompanhados, assim como os principais resultados obtidos, na investigação em curso sob o título “Impactos do Caminho de Santiago em Chaves. Perspetiva cultural”, destinada à obtenção no ano 2018 do grau de Mestre em Português Língua não Materna na Universidade do Minho.

Será apresentada e discutida a estrutura geral da pesquisa, indicados os processos seguidos neste trabalho em curso e colocados para debate os primeiros resultados tirados da análise dos inquéritos passados a comerciantes, os quais, em geral: não detetam necessidades específicas deste setor relativas à comunicação ou formação linguística; definem o Caminho de Santiago como uma marca/produto cultural com elevado grau de conhecimento e visibilidade na comunidade recetora; mostram que existe a perceção de que o Caminho de Santiago impacta positiva e significativamente a cidade e o comércio local (apontando-se neste sentido benefícios vários como a afluência de pessoas, a animação, o consumo, o desenvolvimento, a promoção e conhecimento da cidade, o lucro e o emprego); diagnosticando-se, no entanto, a necessidade de dinamizar ações, medidas de promoção, acolhimento e aproveitamento do Caminho pelas instituições públicas, da mesma forma que também se observa que o Caminho é sentido como um dos elementos identitários da cidade, ainda que não o mais valorado.

12:10 h. Colóquio

             Segundo Debate Decisório

12:45 -14:15 h. Género e investigação

                        Sétima Sessão

16:15 h. “Resultados preliminares para o corpus de romances e diarios de viaxe de 2014 e perspectivas para o perfeccionamento dos protocolos de pretratamento e análise textual” Irene Pichel Iglesias (Galabra – USC)

Irán aquí expoñerse os avanzos no proceso de elaboración da tese. Da fase de recopilación de corpus darase conta dos resultados, mais tamén dos principais problemas, como o desfase entre a publicación dos textos e a dispoñibilización dos datos nas bases de bibliotecas e librarías e as dificultades específicas que afectan aos formatos dixitais e que deben ser tidos en conta para actualización do Catalogador. Proponse tamén un protocolo de pretatamento dos textos que afina o seguido anteriormente por Luísa Fernández Rodríguez (2016) e unha vía semiautomática para abordar a problemática das multipalabras, especialmente no caso de entidades nomeadas. Por último, expoñeranse os resultados preliminares obtidos co método Reinert en Iramuteq para os romances e diarios de viaxe editados en España e e español en 2014, contrastando ambos xéneros e contrastándoos tamén cos resultados obtidos por Fernández Rodríguez para o romance español de 2010.

16:35 h. “Silvio Rodríguez: una catalogación temática intersubjetiva de su obra a partir de una clasificación supervisada” Leticia Carrera Pérez (Galabra – USC)

En esta presentación, parte de la tesis doctoral Silvio Rodríguez: contra la cristalización del gusto y de las ideas, se pretende mostrar un nuevo modo de catalogar temáticamente un corpus seleccionado de la obra de Silvio Rodríguez, cantautor cubano nacido en 1946 que continúa en activo. A raíz de los datos recogidos en una encuesta realizada a principios del año 2017 a un público de unas determinadas características, 172 estudiantes universitarios vinculados a la filología, en la que se solicitaba, entre otras cuestiones, la colocación de etiquetas temáticas para un corpus formado por 42 textos de Silvio Rodríguez, proponemos una clasificación supervisada que nos permita etiquetar el resto de los textos que componen los discos principales del trovador. Con esta clasificación, al introducir las tres etiquetas temáticas ofrecidas por los encuestados y encuestadas, obtendremos las tres etiquetas temáticas que se asignan por relación lexical a cada uno de los 203 textos restantes, así como un porcentaje de peso atribuido a cada una de ellas. Esto nos permitirá extraer la catalogación intersubjetiva obtenida de la encuesta realizada al conjunto de textos estudiados, pudiendo así comparar la clasificación ofrecida por un público ajeno a la obra de Silvio Rodríguez con aquella llevada a cabo anteriormente por los investigadores. El objetivo principal de este análisis es poder intentar entender cómo es vista la obra de un cantautor, que frecuentemente es relacionado con su campo histórico, por personas desconocedoras de la misma e intentar explicar las posibles diferencias resultantes entre esta visión y la de los investigadores, quienes durante la colocación de etiquetas procuraron realizar una propuesta de clasificación los más objetiva posible. Un siguiente paso, dentro de esta comparación, será incluir las respuestas que se obtendrán de la misma encuesta, ofrecida esta vez a través de la red a personas cercanas, conocedoras y amantes de la obra del trovador, considerando como hipótesis inicial que estas realizarán una mayor relación entre la obra de Silvio Rodríguez y el campo histórico, social, ideológico y cultural en el que su trayectoria transcurre.

16:55 h. “Elaboraçom e manipulaçom de dicionários no Iramuteq” Gonçalo Cordeiro Rua (Empresa Ideia)

Partindo do trabalho recente de ampliação do dicionário do IRaMuTeQ para espanhol, e de uma breve descrição do procedimento seguido (e a sua aplicabilidade aos dicionários em português), nesta apresentação serão abordados os seus principais efeitos sobre um corpus de exemplo: o de romance em espanhol de Luísa Fernández Rodríguez (2016). Será examinada também uma hipótese de trabalho, sobre esse mesmo corpus, que pretende atacar o problema da falta de um componente de desambiguação no IRaMuTeQ, incorporando a etiquetagem PoS e a criação automática de um dicionário derivado do processo prévio de etiquetagem.

17:15 h. Colóquio

 PAUSA

18:00 h. Conferência: “Usando expressões multipalavra para aferir graus de convergência entre conjuntos de textos” Álvaro Iriarte Sanromán (Galabra – UMinho)

No seguimento do que afirmamos sobre a replicação de resultados nas CHS, pensamos que esta abordagem irá acrescentar valor às análises lexicométricas já realizas, com base na unidade “palavra”.Partimos da hipótese de que o uso de expressões multipalavra deverá ser mais eficaz do que o uso de palavras simples (mesmo que previamente selecionadas) para aferir graus de convergência ou divergência entre conjuntos de textos, permitindo, mesmo com corpora não anotados, estabelecer de maneira automática diferenças ou similitudes entre grupos de textos (entrevistas qualitativas, por exemplo), comparando as distribuições das frequências dos grupos de texto, usando as frequências relativas da totalidade das palavras (ou, no nosso caso, das expressões multipalavra) de cada grupo.

Esta palestra é uma apresentação parcial de um trabalho em curso de Iriarte, Simões & Gamallo: “Análise lexicométrica e categorização de entrevistas qualitativas usando MWE” (título provisório).

19:00 h. Conclusões, balanço e encerramento

21:00 h. Ceia-convívio

Comissão Organizadora:

 Elias J. Torres Feijó (coord. Galabra USC)

Álvaro Iriarte Sanromán (Galabra UMinho)

Raquel Bello Vázquez (UniRitter)

 

 

Deixe uma resposta