“A cidade e quem a habita” é a segunda parte do projeto expositivo itinerante nos CSC de Compostela (17.10.2019)

Entre maio e junho de 2019 foram expostos na Alameda compostelana, sob o título “A Cidade, o Caminho e Nós”, alguns resultados das pesquisas do Grupo Galabra sobre o Concelho de Santiago. Na sequência dessa iniciativa, o trabalho tomou forma de projeto expositivo itinerante, para circular pela rede de Centros Socio-Culturais (CSC) de Compostela, a partir de outubro, segmentado tematicamente em três partes: atividade comercial, habitantes e visitantes.

“A cidade e quem a habita” apresenta os dados relacionados com a visão das pessoas moradoras de modo desagregado – por Zonas da cidade – e, portanto, sem o valor estatístico do conjunto, mas com certeza indicativos de visões da cidade ligadas às diversas Zonas em que se organiza e pode ser dividida.

Créditos da exposição temática de Habitantes

Os resultados mostram aquilo que opinaram 674 pessoas do Concello de Santiago, com certo destaque, em termos proporcionais, para moradores da Zona Velha e do Ensanche, por serem os dous espaços da cidade com maior intensidade de fluxo de pessoas e atividade comercial; mas inclúem, também, os dados de 104 inquéritos a residentes em Teo e 144 de Ames.

 

Exposição na sala de usos múltiplos do CSC do Castinheirinho

 

As pessoas de Santiago, perguntadas pelos lugares mais emblemáticos de Compostela, destacaram a Zona da Amêndoa (que denominamos genericamente Zona Velha), reunindo o maior número de menções e sendo citada por todos os bairros. A seguir, as mais mencionadas são Belvis / Sar, Ensanche e S. Pedro (referidas em 11 das 17 zonas).